terça-feira, 19 de agosto de 2014

Última Consciência: um pequeno conto.


Olá, amigos.

No intuito de manter este blog o mais diversificado possível, trago hoje um conto de minha autoria intitulado Última Consciência.

Originalmente ele foi publicado em 2011, na antologia Histórias Fantásticas Volume 2, organizado pela Georgette Silen e impresso pela editora Cidadela.

É um conto que mistura Ficção Científica e filosofia.

Espero que gostem!

É só clicar em "Mais Informações" no final da postagem para lê-lo.

Abração!

terça-feira, 12 de agosto de 2014

O esporte salvará o Brasil?


      Há alguns dias vi uma reportagem sobre o desenvolvimento do esporte no Brasil, a relação das olimpíadas para o crescimento do mesmo em países que sediaram o evento e a “importância” deste para um país. Linda reportagem, quase me convenceu! Contudo, não consigo ser convencido facilmente e acabei questionando esta visão que se torna cada vez mais cristalizada no imaginário nacional: O Esporte salvará o Brasil. Mesmo não sendo diretamente dito, (e se colocado em confronto os argumentadores desta tese dirão que nunca disseram isto) a ideia que se passa retirando as arestas de argumentação trabalhada e erudita é esta mesma. É intencional.

      Nesta terra, onde canta o sabiá, há a mania horrorosa de se pular etapas. Queremos ser uma potência olímpica simplesmente porque queremos, sem fazer o dever de casa fundamental para tanto. Esporte não é salvação para nada, ele é a consequência, um efeito colateral bom, diga-se de passagem, do desenvolvimento de uma população.

      Vamos seguir um raciocínio para conseguir chegar aonde quero. Um país para ser desenvolvido precisa de uma educação de primeira linha. Já é um clichê falar sobre isto. A frase tem um sentido vazio nos dias atuais. Todos a repetem como um mantra que perdeu seu sentido mais básico e obvio. Lamentável! Um país para ser desenvolvido precisa de uma infraestrutura que possibilite a competitividade. Tudo feito pela metade neste sentido de desenvolvimento ou com demora de décadas significa dinheiro perdido. Um país para ser desenvolvido precisa que sua população tenha qualidade de vida, dinheiro no bolso mesmo, adquirido com o suor de seu esforço e não uma sangria desenfreada de dividendos que sustentam um sistema corrupto que vive em eterna manutenção de seu status quo.

      Qual a consequência de um lugar com estas boas características? O desenvolvimento do esporte em suas várias facetas. População com dinheiro somado a tempo livre é igual a desenvolvimento do esporte. Ah! Mas há a tese que o governo deve entrar com dinheiro para o desenvolvimento do esporte, não é? E eu digo categoricamente: Não! Aí, pode-se argumentar que a antiga União Soviética e Cuba foram potências olímpicas com este modelo estatal. E a resposta já está pronta. Olha no que deu meus filhos...

      Não sei como isso ganha corpo aqui no Brasil. Vejamos um exemplo bem próximo: o futebol. É popular, consegue de certa forma andar com as próprias pernas, não tem dinheiro estatal direto em suas finanças, só se pediu dinheiro emprestado ao BNDES ou com patrocínio de empresas mistas, mas num âmbito de negócios, ou seja, não estão dando dinheiro, um é emprestado, a juros, e o outro um acordo de propaganda, uso da imagem para promover uma empresa, etc. Há um mercado consumidor de futebol, vide as lojas de produtos esportivos dedicadas a times, que se sustentam com produtos temáticos. O futebol é caro e ainda assim consegue se sustentar com um publico sem muito poder aquisitivo. Imagine o esporte com um público com poder aquisitivo bem maior?

      Já passamos do tempo, e coloca tempo nisso, de listarmos nossas principais necessidades e cobrar de nossos governantes, na urna mesmo, nossos direitos. Há aquela frase batida que quando os bons se calam, os maus tomam conta, não é? Se de alguma forma o brasileiro se fizer ouvir na urna, mostrar sua insatisfação, os bons observem isto e se coloquem a disposição para ajudar a construir um país de verdade.

      A grande mídia nacional tem que parar de pensar no imediatismo e colocar a estruturação do país, seja institucional ou funcional industrial, logístico, etc. em primeiro lugar e não reunindo homens de marketing para tentar inserir ideias esdrúxulas de como o esporte salvará o Brasil. Lembrem-se do legado do Pan Americano, porque eu não consigo lembrar qual foi, e você? Um país com um projeto nacional focado no desenvolvimento sustentável, em boas práticas econômicas, com cidadania, educação e liberdade de expressão em todos os sentidos será infinitamente mais lucrativo que um evento de quinze dias, inclusive no que diz respeito ao esporte, que terá uma fonte constante de talentos genuínos e dividendos, sendo estes os pilares de uma futura potência olímpica.

      Porém, as olimpíadas estão quase aí! Só faltam dois anos e o que eu proponho vai demorar muito mais tempo. Então, para esta afirmação, eu digo que vivam a ilusão que as olimpíadas trarão e voltem à dura realidade após o evento, e parem de choramingar!

       Até quando continuaremos vivendo de ilusão?

       Vamos continuar com o estilo “Engana que eu gosto”?

       É difícil, muito difícil...

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

RESENHA: "Ele está de Volta" de Timur Vermes


 
 
Olá a todos!


Numa de minhas andanças por lojas virtuais de livros eletrônicos, pois eu me submeti à nova tecnologia sem inventar problemas relevantes, observava com atenção o que havia de novo na literatura, principalmente brasileira. Não sei por que, ou talvez eu saiba (“logaritmos” que tentam adivinhar afinidades), aparece-me uma capa no mínimo curiosa de um livro de autor estrangeiro. Uma franjinha ao estilo hitleriano, num fundo totalmente branco, e no lugar do bigode quadrado, o título do livro com o formato do mesmo: Ele está de volta, “dizia” o bigodinho mais odiado do mundo.

Não preciso explicar que minha curiosidade foi despertada. O que seria aquilo? Uma biografia, um romance, alguma reportagem, etc. Não me fiz de rogado e imediatamente pedi uma amostra pelo site da livraria. Segundos depois, já estava disponível em meu Tablet a cópia de degustação. Comecei a ler e fui até o terceiro capítulo, onde exatamente acabava a amostra. Não resisti e comprei o livro.

O princípio, o raciocínio, a ideia básica da obra pode ser resumida em uma simples frase: E se Hitler de repente acordasse, vivo, em pleno início do século XXI, mas precisamente em 2011? E é exatamente o que acontece nas primeiras páginas. Temos um Hitler que reaparece num terreno baldio, provavelmente onde se encontrava a saída do bunker do Fürher, com seu último uniforme, cheirando a gasolina, confuso, principalmente em relação ao tempo e espaço. A busca do livro não será qual o motivo desta figura histórica reaparecer em pleno o século XXI e sim como ele seria recepcionado, como conviveria em novos tempos, como se adaptaria, etc. e tal.

Imediatamente me veio à mente um episódio de Family Guy (mais conhecido como Uma Família da Pesada no Brasil) onde Peter Griffin substitui a morte em seu trabalho. Numa explicação dos motivos da morte existir, a própria se pergunta como seria o mundo sem ela e propõe a Peter a ideia de um Hitler ainda vivo. Imediatamente passou a cena do mesmo operando um Talk Show todo descontraído entrevistando celebridades.

E é isso que veremos no livro. A Alemanha do século XXI consegue dar um passo adiante em relação a um capítulo traumático de sua história e recepciona Hitler não como ele mesmo, mas como um ator que não quer sair do personagem. Ninguém durante o livro levanta a questão daquele homem ser realmente quem alega ser. Os outros personagens o acham exótico, engraçado por assim dizer, e assim este Hitler perdido no tempo e espaço começa uma carreira na televisão alemã, em shows de humor e posteriormente apresentando seu próprio talk show.

É interessantíssimo neste sentido. Se procurarmos na história alemã pós-guerra, havia um clima de profundo traumatismo, algo beirando o silêncio e a tristeza. Não vou dizer que era um padrão profundamente generalizado, mas há relatos de alemães que entravam em profunda tristeza, externado com lágrimas, ao falar do assunto. E isto durou até a geração dos filhos daqueles que estiveram ligados ao evento.

Inclusive houve teses acadêmicas, como uma exposta no livro OS CARRASCOS VOLUNTÁRIOS DE HITLER, do cientista político Daniel Goldhaden, em que a parcela de culpa do povo alemão em relação ao evento mudava de eixo, recaindo sobre seus ombros mais do que havia sido considerado até então.

Timur Vermes é um autor alemão, filho de uma alemã com um húngaro. Ele viveu este clima de trauma da segunda geração alemã, mas por ter um pé fora e outro dentro, quebrou com um pouco mais de facilidade este paradigma social, numa primeira análise dos fatos.

O Hitler construído por Timur Vermes é interessantíssimo. Um homem capaz de pensar a si mesmo como um salvador, um líder natural dos alemães, trazendo uma bagagem ideológica que ele ainda entende se encaixar no século XXI (todas as ideias que tornaram Hitler um “monstro”), e ao mesmo tempo um homem educado, sedutor, que continua com a oratória afiada. Este Hitler que reaparece não é levado a sério por ninguém e como num surto psicótico, ele mistura os fatos, tendo uma ótica bastante particular daquilo que está acontecendo. Este choque, por assim dizer, entre o “monstro” e a realidade do mundo atual é o ponto da sátira, do humor. As pessoas riem achando que é uma imitação; ele não consegue terminar linhas de raciocínio, sendo interrompido o tempo todo, mas ainda assim é determinado, sempre comparando seus feitos anteriores aos novos conquistados, mesmo uma realidade não tendo nenhuma relação com a outra.

Pensando em tudo que havia de “trauma” na Alemanha, a obra de Timur Vermes demonstra que os alemães finalmente conseguem ver a situação com um novo olhar, e que o tabu foi finalmente quebrado. Espero, e acredito que é um novo movimento, esta nova visão alemã sobre si mesma deva ser ampliada, e provavelmente é a nova tendência, sem tabus, sem traumas, pois a única maneira de certas situações não se repetirem (desculpe-me pelo clichê) é simplesmente poder falar sobre elas. Sem a mácula das atrocidades feitas pelos nazistas, eles não passavam de figuras caricatas, com aqueles uniformes estilizados, ridículos até para a época, como se fossem uma trupe de palhaços. O peso do holocausto, dos milhões que sofreram e morreram com os eventos, retirou a possibilidade de ver esta faceta cômica. Um Hitler deslocado, só é uma pessoa engraçada, uma pessoa para não ser levada a sério.

 

Fica a sugestão de leitura!

 

Uma forte abraço a todos e até a próxima postagem.

 

VERMES, Timur. Ele está de Volta. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.